Who you gonna call? Ghostbusters!

 

Ontem cheguei em casa, minha irmã veio me visitar e nem deu tempo de conferir a notícia que veio pelo telefone: meu marido me perguntando se eu vi que a diarista quebrou a quina do espelho. Na hora eu disse simplesmente “pô, que droga”.

Hoje já bateu uma pequena deprê, por que parece que tudo que eu ando comprando está sendo dinheiro perdido: o chuveirinho está pingando, o filtro tá meio bambo porque não era compatível com a toneira, o tapete tá com uma queimadura de cigarro, o vidro do criado-mudo quebrou antes mesmo de chegar ao quarto… Então por que surtar por causa do meu espelho novinho com a quina quebrada?!… AHHHHHHH! (Surtei atrasado)

Pode parecer maluquice, mas as vezes eu preferia que todas essas coisas ficassem mesmo inutilizáveis e eu comprasse tudo novinho de novo, mas nãaaaao: são coisas novas, inteiras com um defeitinho não suficiente para ir pro lixo ou ser doado. Dói no bolso e na consciência.

Resultado? Itens novinhos com cara de quebra-galho.

Antes de pensar que solução eu vou dar pra isso tudo, vou aceitar a proposta da minha irmã de purificar a casa, nem que seja com um incensinho…

PS: Eu não acredito em bruxas, mas que elas existem, ah, existem….

Teletransporte não seria má idéia

 Deve existir um mundo perfeito onde as pessoas se mudam de um dia pro outro, com empacotadores, carregadores, decoradores e até organizadores profissionais, e no final do dia chegam na casa nova com tudo arrumadinho e tinindo.

Esse não foi o meu caso.

Me deparei com diversas situações de deixar o cabelo em pé, mas que são absolutamente comuns na maioria das mudanças, pelo menos quando fazemos parte de todo o processo.

Mas isso não quer dizer que precisava ser assim. A seguir, listo algumas providências que tomei e que gostaria de ter tomado para facilitar as coisas:

Viva com o mínimo – Na última semana, exercite a simplicidade: se for um casal, mantenha apenas 2 copos, 2 pratos, 2 garfos, etc. Não faça compras de estoque, aproveite ao máximo o que tem na despensa e principalmente na geladeira, e se possível, cozinhe e congele com antecedência refeições que só exijam micro-ondas para poupar panelas. Finja que está acampado na própria casa.

Everything is everything – Não pense que você tem pouca coisa e que vai conseguir colocar tudo numa caixa e trasportá-la de um dia pro outro. Eu empacotei coisas relacionadas, inventariei, colei a lista dos objetos nas caixas, e ainda assim, me deparei na última hora com um mundo de miudezas que não lembrava, coisas desconexas entre si de tamanhos e pesos diferentes, enfim, a gente sempre acha que tem menos do que realmente tem. Após selecionar o que é absolutamente indispensável para viver nas últimas semanas, verifique todos os compartimentos da casa: todos os armários, todas as gavetas, e tente colocar todos os objetos afins juntos.

Custo/benefício – Eu resolvi pagar um frete para os móveis grandes e pesados e levar as caixas de carro. Resultado: intermináveis idas e vindas com mil caixas pesadas. Se bobear, a gasolina que eu gastei dava pra outro frete, e no final das contas, eu pagaria sorrindo pra não ter metade do trabalho todo que tive.

Comece cedo e planeje – Cada providência tomada com antecedência poupa tempo e cabeça para o dia D. Verifique se o caminhão pode parar na frente da casa, se existem impedimentos para mudanças em certos dias pelo condomínio, pense em como você vai transportar suas roupas, quais são as caixas que vão permanecer fechadas por um tempo na casa nova, na pintura das casas e etc.

Bom, o processo é longo e cansativo. Daria pra fazer um tratado sobre o tema, mas vou parar por aqui, por que tenho que focar no presente e procurar soluções para o novo desafio: tornar aconchegante e organizada uma casa que é maior, mas que não tem muitos móveis.

Contagem Regressiva…

 

 Nossa, faz um tempão que eu não posto, mas esse foi mais um sintoma da estagnação que eu passo quando tenho um grande evento pela frente e não consigo me mover no meio do caminho, como se tudo ficasse suspenso…

Mas isso ficou pra trás: É isso aí, estou com data marcada pra mudança!

Estava aqui pensando com os meus botões que todo esse esforço que estou fazendo para começar uma casa nova do zero, com tudo organizado, merece que eu batize a ela e a este blog simplesmente de “Harmonicasa”, deixando o “project” pra lá! Farei isso assim que eu estiver realocada!

Apesar de eu ainda ter vários aspectos das minhas coisas e da minha vida que eu quero organizar para aproveitá-las melhor, recebi dois elogios esses dias sobre a minha organização, enquanto eu mesma dizia estar em processo de ser organizada.

Isso me fez pensar que existe uma tendência ao perfeccionismo, a achar as coisas sempre poderiam estar melhor. Mas a verdade, é que tal qual o conceito de felicidade, a satisfação não é algo definido e acabado. Nossos desejos se multiplicam e nos levam pra frente, o que não deve gerar um sentimento de incompletude e sim a expectativa por mais e mais felicidade, pois somos seres naturalmente criativos.

3 Princípios Básicos para começar

  • Se livrar do excesso e abrir espaço
  • Cada coisa deve ter um lugar certo (adoro pensar na minha tesoura que fica numa gaveta alta na cozinha. Eu nem preciso olhar, meto a mão na gaveta e a encontro sempre, é assim que as coisas têm de ser)
  • À mão e à vista só o que for sempre utilizado

Motivos para mudar

  • Porque quando as coisas têm cada uma o seu lugar, fica mais fácil mantê-las nele
  • Porque a mente trabalha melhor se o ambiente estiver organizado e limpo (como diria o Dr Murphy, assim no interior como no exterior e vice-versa)
  • Porque o tempo é melhor utilizado quando se sabe exatamente onde as coisas estão
  • Porque as pessoas da casa passam a respeitar o trabalho feito e cooperar