Craquelado vitorioso!

Hoje vou mostrar 2 craquelês que eu fiz.

Veja só que vaidosa a Felícia em seu cachepô! Só por que ela é mais mimadinha exigindo mais rega que as outras não quer dizer que ela não merece um mimo! Ficou lindo, mas não era o efeito que eu esperava. Eu gosto de cracos grandes e esses ficaram muito miudinhos.

Vocês não imaginam a minha indignação ao ver que o craquelado ficou pequenininho depois de tanto trabalho e espera! Então, pesquisa daqui, pesquisa dali, e descobri que não adianta forçar a barra: não se faz craquelado em dias úmidos, e não se pode ser pão dura no uso do material: tentei novamente, passando 2 demãos de verniz base e na hora do craquelador usei o pincel bem carregado.

Vai aí uma foto da caixa azul turquesa com um craquelado de sucesso e minha primeira pátina negra na latonagem! Não erro nunca mais!

Ps: Eu espero o craquelado ficar pronto com a mesma ansiedade que se espera um bolo crescer!

Anúncios

Mudanças

Este slideshow necessita de JavaScript.

Começou uma nova etapa na minha missão de organização:

Vou me mudar!

Essa é a chance de ouro pra recomeçar do zero a ter tudo em seu lugar, e me livrar da tralha.

Como eu ainda estou desanimada para começar a encaixotar as coisas, já que o processo todo vai levar um tempinho e não quero ficar sem minhas coisas à mão, comecei a descartar o que não tem serventia.

  • Coisas que quebraram, foram substituídas, mas continuaram na casa, como mouses, fones de ouvido, fios e etc.
  • Manuais e certificados de garantia de coisas que eu já joguei fora ou dei
  • Certificados de garantia há muito expirados
  • É interessante manter alguns manuais de instruções de alguns aparelhos, mas eu sei muito bem como usar um secador de cabelos, né?
  • Já falei e vou repetir: normalmente brinde é tranqueira
  • Coisas repetidas: notei que eu tinha 3 baralhos, fiquei com o de maior qualidade e doei o resto.
  • Listas telefônicas antigas

Uma coisa engraçada foi revisar os armários lá em cima, onde se guardam coisas que não usamos no dia a dia, especialmente aquelas coisas “que podemos precisar algum dia” ou de valor sentimental, para lembrar de alguma época. Sabe o que encontrei? Um monte de coisa inútil: se não usei desde que me mudei, não vai ser agora que vou usar.

Mas uma parte divertida desse tipo de arrumação “uma vez na vida…” é encontrar coisas bem legais, que estavam esquecidas ou até perdidas, como cds de back up com coisas que eu achava que tinha perdido quando meu PC “deu pau”, como fotos de família e de eventos que passaram, resumos dos primeiros semestres de faculdade, etc.

Bom… Só porque eu não comecei a encaixotar, não quer dizer que eu não esteja montando e forrando caixas! Aqui vão as fotos das maiores caixas que já fiz, já me preparando pra organização!

Caixas “cubo”

Este slideshow necessita de JavaScript.

Depois das caixas hexagonais, agora meu xodó são as “caixas cubo”.

Elas são um pouco mais fáceis de fazer e são charmosas com essas tampas almofadadas…

Me lembram aquelas caixas de presente tradicionais, tipo aquelas que o smurf Joca distribuía, e quando alguém abria… Kabooom!

Mas as minhas não são explosivas, tá?!

Molde da caixa porta-revistas

Atendendo a solicitação da Daniela, fiz um molde que criei tendo por base os porta-revistas que vi por aí, e que resultou na caixa que postei.

As partes em verde escuro são para cortar fora (o buraco no meio é opcional). As linhas pretas são para dobrar.

Dica: Para as dobras ficarem perfeitas, é necessário passar o estilete nas junções antes de dobrar. Não é um arranhão, mas também não é para cortar fora, ok? Faça um teste antes para acertar a pressão do corte.

Na hora de montar a parte de cima, junte com fita crepe, a forragem de tecido vai segurar no lugar depois.

O molde de baixo é para fazer uma caixinha rasa (2 cm de altura) para encaixar e colar o molde de cima. Notem que nos “quadradinhos” eu só coloquei as linhas horizontais em verde escuro. Isso porque esses quadradinhos serão dobrados e colados na parte interna para segurar a caixa, mas dependendo da técnica de forragem, eles podem ser cortados fora e as laterais presas com fita crepe.

Nova Categoria

Viu, vó? Salvei a caixinha!

Fazer essas caixas tem sido uma verdadeira terapia para mim, além de seguir o propósito de organizar minhas coisas deixando cada coisa em seu lugar. Desde que postei as caixas, tenho tido muitas visualizações no meu blog, e os amigos e parentes se interessaram pelo assunto.

Então, mudei de ideia e resolvi ensinar aqui. Não tenho a menor intenção de fazer mistério sobre o feitio das caixinhas, já que não tenho interesse em vendê-las nem nada assim. E não é totalmente fora do propósito do blog, já que faz parte da organização e decoração da casa.

Dessa forma, estou criando mais uma categoria no Harmonicasa: artesanato & decoração.

 

Quando eu comecei, peguei os princípios básicos de um vídeo no youtube. A moça ensinava a forrar uma caixa pronta colando o pano diretamente sobre ela, e utilizando o papel cartão apenas em pontos difíceis para dar o acabamento. Era preciso muito mais cuidado, paciência e habilidade.

Inclusive, eu tentei forrar uma caixa pronta com a minha vó no fds passado e não deu certo, encontrei um monte de dificuldades que precisariam ser pensadas e solucionadas. Solucionei e  criei um método de forrar caixas prontas, mas ainda prefiro criá-las.

Usando a técnica que descrevi antes como ponto de partida, desenvolvi a minha própria. Minha grande diversão é montar minhas próprias caixas, combinar as estampas, bolar os pormenores decorativos e principalmente, descobrir maneiras de simplificar o processo e deixar as caixinhas com um acabamento perfeito.

Existem várias maneiras de fazer isso. Aqui eu vou ensinar as que deram mais certo pra mim, as que eu consegui solucionar e sistematizar. Então aguardem que eu estou montando meu passo a passo pra postar aqui, ok?

Caixa de costura

  Essa foi feita especialmente para coisinhas de costura. Tanto a tampa quanto o fundo interior da caixa são acolchoados, então dá pra espetar a agulha pra não perder ou alguns alfinetes enquanto faço uma bainha, por exemplo.

Mais uma caixinha…

Essa daqui é o meu xodó…

 

..talvez seja por isso que eu ainda não decidi o que guardar nela!

Caixa porta-revistas

 

Pois é, estou na “missão cada coisa em seu lugar” e exercitando o hobby… 

 

Acabamento é fundamental. Forrei por dentro também.

 

Essa daqui eu fiz para ter um lugar específico para revistas e apostilas

 

 

 

Caixas forradas de tecido

Há tempos que procuro caixas para organizar minhas coisinhas, mas as caixas mais bonitas custam tão caro! Desde então tenho procurado formas de fazer minhas próprias caixas e organizadores (até postei aqui as caixas forradas de papel seda metalizado). Foi então que encontrei sites de passo a passo e até vídeos no youtube ensinando a fazer caixas forradas de tecido, e se tornou meu novo hobbie.

Gente, se forem feitas com esmero (acabamento é fundamental), elas ficam maravilhosas, e tem um monte de variações que podem, além de organizar nossas coisas, servir de decoração para o ambiente.

Não vou ensinar aqui como da outra vez, não por que seja difícil, mas porque isso exigiria um passo a passo com muitas fotos e minúcias, e essa não é a proposta do blog. Repito que a gente acha o passo a passo nos sites, blogs específicos de artesanato e youtube, mas pra quem quer começar, dou uma dica que eu aprendi e não achei por aí:

Nas lojas de tecido, achamos panos 100% algodão (o mais recomendado) próprios para pachwork, que além de nos poupar de grandes cortes de tecidos diferentes, facilitam muito na hora da composição, porque já possuem faixas de estampas diferentes em cores semelhantes, então não precisa quebrar a cabeça tentando combinar estampas. Eu só compro tecido de estampa única para as tampas, quando escolho um tom mais escuro, mas na cor base do “tecido pachwork” (na foto, vinho combinando com o rosa, que é a cor base das demais estampas).