Porta temperos

Finalmente resolvi o problema dos saquinhos de tempero presos por pregadores de roupa!

Os porta temperos que eu encontrava por aí tinham os seguintes defeitos: poucos potinhos, material plástico, muito grandes, preço exorbitante, exigência de muito espaço do armário ou da bancada.

A solução foram esses potinhos de vidro de 40 ml, que comportam perfeitamente o conteúdo dos saquinhos de tempero e ocupam pouco espaço dentro dessa bandejinha de madeira. Encontrei por menos de R$ 1,70 cada em uma lojinha de produtos para perfumistas na Saara, mas também podem ser encontrados em lojas de material para artesanato, já que meu primeiro contato com esses potinhos foi quando ganhei um cheio de brigadeiro de colher como lembrancinha de batizado da minha sobrinha.

Funcionalidade e vícios na organização

Já repararam como a gente estabelece rotinas e organiza as coisas por hábito? Temos a estranha tendência a fazer de tudo um costume, e criar um é sempre mais fácil do que se desfazer de outro.

Outro dia notei que não fazia nenhum sentido ter o escorredor de louça ocupando a maior parte da bancada da pia se tinha um espacinho perfeito pra ele do lado esquerdo. Tentei realocá-lo mas me deu um verdadeiro tique nervoso, como se tivesse algo muito errado com aquela disposição.

Diagnóstico: era do lado direito que ficava na casinha antiga. E porque era assim na casa antiga? Por que era assim na casa da minha mãe. Fico feliz em dizer que o médico já me deu alta e agora tenho o lado direito todinho para preparar comidinhas gostosas.

Viu? Bancada livre para preparar bolos de chocolate e tirar fotos para deixar leitores na vontade!

E voltando da rehab organizacional, identifiquei outras falhas comuns:

Por que meu caderno de receitas deve ficar na estante do quartinho se eu não cozinho lá? Por que a maquiagem deve ficar no banheiro se eu uso o espelho do closet pra me maquiar? E por que deixar o carregador no escritório se eu só carrego a bateria do celular em cima do criado-mudo?

Conclusão: é maravilhoso e super arrumadinho ter um lugar pra cada coisa, mas organização também inclui otimizar o espaço e o tempo para simplificar a vida.

Fica aí a sugestão: procurar soluções para acomodar as coisas de uso frequente perto do lugar que realmente são utilizadas!

 

PS: Não tirei foto da bancada toda por que a pia está cheia de louça do preparo do bolo! Shame on me…

Deixa o “project” onde está

Bem, é isso aí. A falta de móveis fez minha casa ficar uma zona, então estou em mais um projeto “cada coisa em seu lugar”… E eu que tava me achando a rainha da organização e querendo mudar o nome do blog antes de vir pra cá! (Hahaha, que piada)

Mas uma coisa eu fiz bem, digo de novo: aceite ajuda, e se você tiver um marido que tem como lema “por que fazer hoje o que dá pra fazer nas férias do ano que vem”, lance mão de uma pessoa “pau pra toda obra hoje mesmo”.

Felizmente, vocês já sabem eu tenho uma dessas na manga: entreguei as chaves do meu ap pra Mamy e fui para o trabalho na confiança, e quando voltei: Tcharans! Prateleiras estrategicamente instaladas e meu espelho finalmente centralizado!(antes de comprá-lo eu era equilibrista de espelhinho em cima da torneira)

Pode não ser a ideia definitiva, mas pelo menos deu pra respirar, principalmente por que tenho um hobby novo, que eu prometo mostrar bonitinho no próximo post.

Por enquanto vou só dar um teaser pra vocês nessa foto das prateleiras!

PS: Sebastiana quebra o galho, mas é Mamy que dá jeito!

PS2: Nem a pau que essa parede vai ficar lilás até as férias do ano que vem!

Teletransporte não seria má idéia

 Deve existir um mundo perfeito onde as pessoas se mudam de um dia pro outro, com empacotadores, carregadores, decoradores e até organizadores profissionais, e no final do dia chegam na casa nova com tudo arrumadinho e tinindo.

Esse não foi o meu caso.

Me deparei com diversas situações de deixar o cabelo em pé, mas que são absolutamente comuns na maioria das mudanças, pelo menos quando fazemos parte de todo o processo.

Mas isso não quer dizer que precisava ser assim. A seguir, listo algumas providências que tomei e que gostaria de ter tomado para facilitar as coisas:

Viva com o mínimo – Na última semana, exercite a simplicidade: se for um casal, mantenha apenas 2 copos, 2 pratos, 2 garfos, etc. Não faça compras de estoque, aproveite ao máximo o que tem na despensa e principalmente na geladeira, e se possível, cozinhe e congele com antecedência refeições que só exijam micro-ondas para poupar panelas. Finja que está acampado na própria casa.

Everything is everything – Não pense que você tem pouca coisa e que vai conseguir colocar tudo numa caixa e trasportá-la de um dia pro outro. Eu empacotei coisas relacionadas, inventariei, colei a lista dos objetos nas caixas, e ainda assim, me deparei na última hora com um mundo de miudezas que não lembrava, coisas desconexas entre si de tamanhos e pesos diferentes, enfim, a gente sempre acha que tem menos do que realmente tem. Após selecionar o que é absolutamente indispensável para viver nas últimas semanas, verifique todos os compartimentos da casa: todos os armários, todas as gavetas, e tente colocar todos os objetos afins juntos.

Custo/benefício – Eu resolvi pagar um frete para os móveis grandes e pesados e levar as caixas de carro. Resultado: intermináveis idas e vindas com mil caixas pesadas. Se bobear, a gasolina que eu gastei dava pra outro frete, e no final das contas, eu pagaria sorrindo pra não ter metade do trabalho todo que tive.

Comece cedo e planeje – Cada providência tomada com antecedência poupa tempo e cabeça para o dia D. Verifique se o caminhão pode parar na frente da casa, se existem impedimentos para mudanças em certos dias pelo condomínio, pense em como você vai transportar suas roupas, quais são as caixas que vão permanecer fechadas por um tempo na casa nova, na pintura das casas e etc.

Bom, o processo é longo e cansativo. Daria pra fazer um tratado sobre o tema, mas vou parar por aqui, por que tenho que focar no presente e procurar soluções para o novo desafio: tornar aconchegante e organizada uma casa que é maior, mas que não tem muitos móveis.

Fichários e organização do estudo

 Neste semestre decidi utilizar um fichário ao invés dos cadernos.

Os fichários são mais leves porque só contêm o que já escrevi e algumas folhas extras (posso até levar só o bloco pra faculdade). Além disso, acabaram os problemas das muitas folhas em branco desperdiçadas no final do período, mesmo jogando fora as usadas e doando o resto: cadernos fininhos com arames enormes.

Outro motivo, dessa vez mais fútil, é poder utilizar aquelas folhas decoradas, e quando enjoar, comprar de outra estampa (ora, porque não tornar minhas aulas mais felizes?).

As páginas decoradas até vai, mas preferi comprar um modelo simples e liso de fichário, e não aqueles modelos trambolhudos super decorados que fecham com ziper feito uma bolsa, porque quando chega o final do semestre, substituo as folhas escritas à mão pelos meus resumos digitados, organizo tudo por matéria com as guias coloridas, e depois guardo na estante (quanto mais simples o fichário, melhor para a organização da estante).

Isso é tudo o que importa de cada período, e tenho acesso fácil ao que aprendi quando preciso estudar essas matérias de novo.

Planejamento da lista de compras

Viu, mami? Eu ainda tenho sua listinha original! Deve ter uns 15 anos de idade!

 Dicas para tornar a ida ao mercado mais efetiva e evitar desperdícios:

  • Tenha uma lista de todos os possíveis itens de mercado que você costuma usar, organizando-os por seções, tipo: carnes, hortifruti, frios, grãos e farinhas, produtos de limpeza, produtos de higiene, e etc. Com essa lista na mão é mais fácil visualizar o que está faltando, e a organização por seções faz a lista definitiva de compras de um jeito que você não precise ler todos os itens cada vez que estiver numa seção, e aí, fica mais fácil não esquecer de nada. Foi a minha mama que me ensinou isso, e até hoje tenho e uso a lista dela, caindo aos pedaços. Vou guardar de recordação, mas vou fazer uma nova versão com coisas que eu costumo comprar e não têm na lista, e tirar dela coisas que não costumo comprar
  • O segundo passo é ter um cardápio com os principais pratos que você prepara, separando por tipo de refeição e por ingredientes principais. Ex: No item “carnes”, podem ser listados a carne assada, o cozido, o estrogonofe, o bife a role etc.
  • Uma vez que você tenha as duas listas, planeje o que você quer cozinhar durante uma ou duas semanas (dependendo da frequência de idas ao mercado), e compre os ingredientes correspondentes. Mas cuidado, não compre legumes e hortaliças pra consumir daqui a duas semanas, pois é lógico que vão estragar, a não ser que você planeje congelar pratos prontos.

Comida Prática

 

Comida prática pra mim, não é aquela que leva pouco tempo pra preparar, mas sim a que dura, que pode ser esquentada no micro-ondas, levada na marmita e até mesmo congelada.

Esse tipo de comida faz minha jornada na cozinha (normalmente domingo) render de 2 a 3 dias de comida pronta, economiza uma grana de restaurante em dias de trabalho, poupa panelas para esquentar e lavar, e são uma bênção quando chego em casa cansada e com fome.

Exemplos de comida que não é prática são bifes, omeletes, macarrão instantâneo, nuggets, batata frita, etc. Embora sejam de rápido preparo, têm de ser preparados e consumidos na hora, e na próxima refeição, uma nova jornada de cozinha terá de ser iniciada. São práticos apenas para os dias em que não tiver nada pronto e não houver tempo e disposição para cozinhar algo mais elaborado (normalmente quinta e sexta-feira).

Exemplos de comida prática são: feijoadinha, cozido, carne assada, frango xadrez, purê de batata, carne moída, panquecas recheadas, tortas e etc. Repare que além de prática, têm valor nutricional superior às que citei no item anterior.

Menos é Mais: tenha menos com mais qualidade

 

Não são uma graça? É o exemplo perfeito. Quase comprei qualquer coisa pq só tinha uma xícara, mas me mantive firme sem comprar nada até achar algo bonito, diferente, de qualidade e por um bom preço. Comprei numa liquidação e custou quase o que eu ia pagar num joguinho vagabundo.

Muitas das coisas que temos em excesso são de baixa qualidade e estão guardadas só “pro caso de”. Mas pense bem:

  • um monte de lençóis e toalhas manchados e desgastados são pro caso de que? De vir visita? De jeito nenhum que você vai colocar isso na sua cama ou dar pra visita usar! 3 jogos bons são o suficiente, mesmo pro caso de visita. Pode até ser mais, mas que sejam decentes. Que tal manter e usar apenas os que você mais gosta e doar os demais?
  • um copo sobrevivente de cada jogo pra que? Compre um jogo bonito de copos e doe os outros, e se já tem um jogo completo, não precisa manter os sobreviventes dos antigos. No final, quanto mais copos tiver, mais louça pra lavar, porque enquanto tiver copos limpos, os sujos acabam se acumulando na pia.
  • na verdade, o ideal seria guardar em outro lugar as louças excedentes “pro caso de” dar um jantar para visitas. Se isso é raro de acontecer libere o espaço dos armários, deixando de 4 a 6 peças de cada (varia de acordo com o número de pessoas que frequentam a casa) e guarde o resto naqueles lugares menos à mão.
  • chega de ficar guardando as melhores coisas pro caso de visita. Coisas bonitas são pra serem usadas. Ame-se, você merece, torne seu dia a dia especial.
  • pare de comprar coisas só pra ter. Compre melhor, mais bonito e durável, nem que você precise economizar mais um pouco, por que se comprar qualquer coisa, vai se arrepender, e o dia que puder comprar o que realmente quer, vai se dar conta que gastou dinheiro a toa e que vai desperdiçar o que já tinha comprado. Ou seja, ou você deixa de comprar por que já tem algo que o deixa insatisfeito, ou compra duas vezes, o que sai mais caro que comprar uma vez só o que você realmente quer. Ex: quero trocar minhas toalhas manchadas. Aí compro baratinho umas toalhas vagabundas. Elas enxugam mal, começam a desfiar, acabo jogando uma fora e a outra não tem mais combinação. Pronto, mais um ciclo sem fim de tranqueira.
  • se está em busca de algo especial, mas é mais caro do que comprar algo só pra tapar buraco, talvez valha a pena esperar épocas de liquidação nas lojas.
  • se você comprou uma coisa pra substituir outra, não perca tempo, doe a antiga ou jogue logo no lixo.

Temperos verdes

 

É um problema quando compramos salsa, manjericão, coentro e outras ervinhas que não são tão gostosas quando desidratadas se não usamos tudo de uma vez, por que elas estragam rápido na geladeira.

Duas soluções:

A primeira foi a mami que me ensinou, e é perfeita para os temperos que usamos mais: lavar, picar tudo, pôr num potinho pequeno e congelar. O sabor fica preservado e é fácil tirar só a quantidade necessária do potinho congelado. Maravilha! Eu uso coentro em quase tudo, e não tenho tempo pra ir à feira ou ao mercado toda vez que vou cozinhar.

A segunda é pras ervinhas que a gente só usa de vez em quando, como o manjericão e o alecrim: plantar num vasinho! Eu tenho um com manjericão. Além de bonitinho, dando o ar da graça na minha cozinha, eu podo um pouquinho quando quero pôr nos pratos à base de molho de tomate.

Em busca do amanhecer

 

O estilo de vida “sai de manhã e volta tarde da noite” é uma das maiores dificuldades que encontro na hora de organizar a minha vida e aproveitar o tempo. A única solução para não ser um zumbi que durante a semana só trabalha e estuda é acordar cedo. Do contrário, a vida parece um interruptor que liga durante o fds e fica desligado durante a semana toda. Eu tento buscar uma forma de “criar” pelo menos uma ou duas horas a mais no meu dia.

De noite há pouca disposição para tarefas, especialmente as que exigem concentração, e embora eu seja do tipo que adora dormir, de manhã a minha cabeça funciona melhor, é quando eu sou mais produtiva e efetiva.

Isso tudo pode parecer óbvio para as pessoas que já têm como hábito acordar cedo, por obrigação ou por ter um relógio biológico assim. Mas para os que se identificam com essa dificuldade especial de largar a caminha de manhã e aproveitar melhor esse período do dia, vão aí umas dicas:

Coisas para fazer antes de dormir

  • Tomar banho e deixar a roupa separada para o dia seguinte (isso poupa tempo, principalmente porque mulher leva um tempão escolhendo roupa). Se isso for feito, já é um grande avanço.
  • Na verdade, esse tempinho curto entre chegar em casa e ir dormir é melhor aproveitado com investimento em bem estar: um banho quentinho, um hidratante cheirosinho, roupa de dormir levinha, um lanchinho leve ou um chazinho, um bom livro antes de dormir e etc. Uma rotina como essa é ideal para o corpo e a mente perceberem que é hora de relaxar, esquecer os problemas e ir dormir. Nada de ficar rolando na cama pensando em trabalho.

Coisas para fazer de manhã

  • Vestir-se dos pés à cabeça, e o resto do tempinho da manhã vira bônus
  • Fazer as unhas, digitar trabalhos da faculdade, ver o blog, fazer tarefas simples da casa, etc. Não dá pra fazer tudo isso de uma vez, são só ideias de algumas coisas que podem ser feitas durante a manhã para não acumular tudo pro fds. Senão, o fds vira só mais dois dias de um outro tipo de trabalho, e todo mundo deve ter um tempo pra si.