Paredes Neutras

 

Não sei se essa cor me deixa irritada ou com sono. Mas ela deve ter deixado a menininha que morava aqui bem feliz, então obrigada parede lilazim, você já cumpriu o seu papel e é hora de dar tchau.

Bem, é de longa data o meu desejo de ter paredes neutras. Acho aconchegante, acho elegante, acho que me lembra a natureza, acho que me dá a possibilidade de ousar mais nos objetos do cômodo.

Mas também, sempre tive medo. Medo de que ficasse com cara de“institucional”, ou de “antiquado”, ou de “sem sal”. E de uns tempos pra cá, muita gente usou essas cores, virou moda, e como toda “última moda”, já passou, e agora ela é mais criticada que qualquer outra. Se eu colocar um quadro vermelho vocês me matam, né?

Matam nada, eu não sou expert em decoração, na verdade essa é a primeira vez que quero fazer uma decoração mais abrangente que só pintar a parede. Mas eu tive coragem de pintar uma parede inteira de berinjela no outro apartamento, sou formada em artes, e confio no meu senso artístico.

E se no final não ficar bom, é comprar outra lata e preparar os braços, porque o negócio aqui é DIY!

O ministério da sanidade mental adverte: compre a tinta de teste antes de descobrir que na parede é diferente do mostruário!

PS: É isso aí, Imotto! Vamos arrancar esse maldito roxim-lilazim dos infernos do meu futuro escritório/atelier!

Reforma zen

 

A parede que deu início à bola de neve

Quando iniciei essa reforma na minha casa, não tinha ideia da dimensão que isso iria tomar.

Na verdade, quando comecei, a ideia era mais mudar a decoração que fazer uma reforma que acabou se tornando uma mini-obra. O conserto do rachadinho na parede da janela e sua pintura era só um brinde.

Mas eu e meu marido encontramos nesse “rachadinho” infiltrações e rachaduras profundas. À medida em que quebrávamos as partes ocas, encontrávamos verdadeiros problemas estruturais que não podiam ser deixados de lado. “Perdemos” dias passando argamassa, lixando, passando massa corrida, lixando… Até a pintura final.

Pintada a parede, percebemos que as demais paredes da sala estavam muito amareladas, a pintura era muito antiga e o contraste com a nova era muito gritante. Não dava pra pintar só aquela. Pintadas as paredes, tinha que pintar as sancas, pintadas as sancas, tinha que pintar o teto… Uma verdadeira bola de neve!

Bem, fazia parte do plano pintar as portas da sala. Mas na primeira tentativa, descobri que o que era pra ser creme, era na verdade um amarelo claro horroroso. Perdi uma lata de tinta e fui comprar outra, dessa vez, cor de areia. Perfeito! Só que eu levei 5 horas e meia pintando as duas portas, que têm muitos detalhes.

Meu marido se animou e quebrou a parte debaixo da parede infiltrada do quarto. Ai-meu-deus-do-céu, a sala nem tá pronta!

Resumo: minhas férias estão terminando e tivemos que nos contentar com o básico da casa, como se estivéssemos apenas preparando uma tela em branco para uma pintura artística. E a bola de neve nem terminou, ainda tem muita coisa do básico que quero mudar.

Ou seja, nada foi feito de decoração propriamente dita. A única parede que eu ia pintar (de vinho), continua salmão do jeito que sempre foi, e vai continuar assim, pelo menos por enquanto.

O que eu tirei de zen em tudo isso? Bom, olhando para as coisas que já estão feitas, sinto um prazer enorme em ver as coisas mais bonitas que quando alugamos o apartamento, tudo feito com amor por nós mesmos. Eu poderia estar usando esse tempo de trabalho duro na internet ou vendo TV, mas isso é muito mais produtivo, e o resultado desse tempo fica à nossa vista, dando mais prazer em viver aqui. É quase uma terapia.

Então, o que pretendo é continuar a fazer a minha “harmonicasa” mesmo depois de voltar a trabalhar e estudar, tirando um tempinho nos fds, e é claro, organizando tudo e postando nesse meu bloquinho!

Mais relatos em breve!

Reforma na casa

A empolgação do 1º dia de reforma me custou horas de arrumação e limpeza.

Mal comecei o blog e já estou lerdando pra postar. Motivo: estou reformando a casa, consertando infiltrações, pintando as paredes, as portas, etc.

Aqui vão dicas de quem aprendeu na porrada:

  • Não vá se animando de cara em começar a quebrar, emassar, lixar e pintar sem proteger o chão e os móveis, e tirar tudo que for possível do ambiente a ser trabalhado. Isso é um saco, mas compensa um mega trabalho na hora de limpar
  • Use uma roupa velha o bastante para jogar fora depois, não ache que você vai ser cuidadoso, porque acidentes acontecem, e com mais frequência à medida que começa a cansar. No final, é inevitável mesmo que caiam respingos de tinta na roupa, mesmo que minúsculos
  • Não dispense a proteção das luvas e máscara contra poeira. Os produtos e ferramentas acabam com suas unhas e com sua pele, as tintas e solventes são um pouco tóxicos (mesmo lavando as mãos depois), e a poeira da argamassa e da massa corrida é muito fininha e vai pro seu pulmão
  • Centralize os materiais num só lugar no final do dia, e não tenha preguiça de lavar as coisas, senão vai secar e você terá que comprar tudo de novo, além disso, é muito mais cansativo e desanimador ver tudo bagunçado e sujo, é melhor limpar e organizar na medida do possível e depois só apreciar o trabalho feito.
  • Separe e rotule, mesmo que com um simples pedaço de papel, os parafusos, interruptores, tomadas e tudo o mais que tenha sido retirado do lugar, senão você não vai lembrar o que corresponde a que (eu não fiz isso, estou jogada à própria sorte na hora de colocar tudo no lugar).